domingo, 6 de fevereiro de 2011

TOP 10 - Omissões e injustiças da lista dos indicados ao Oscar 2011

Um dos exercícios que mais dá prazer ao cinéfilo em época de Oscar é enumerar as injustiças, as esnobadas e as incoerências da lista do grande prêmio do cinema. Claquete não poderia ficar de fora dessa festa. O TOP 10 deste mês destaca as dez grandes mancadas do Oscar 2011. Para não ter problema com o fisco, Claquete indica, lá no finalzinho, os cinco grandes acertos do Oscar em 2011.



10 – A origem fora da categoria de montagem

Uma das grandes atrações de A origem é a montagem bem elaborada que facilita a compreensão do imaginário proposto por Christopher Nolan. É de se suspeitar, portanto, que um dos trunfos do filme tenha sido excluído do Oscar. Apesar de ser um exclusão criteriosa (A origem não é dos filmes mais celebrados pela academia e sua inclusão entre os dez melhores filmes parece protocolar), não deixa de ser um aspecto – em bases gerais – negativo.


9 – O filme argentino Abutres fora da disputa de filme estrangeiro

A academia tem o hábito de evitar indicações sucessivas de um mesmo país a categoria de filme estrangeiro. Dessa forma, o argentino Abutres foi prejudicado pelo fato de uma produção argentina (O segredo dos seus olhos) não só ter sido indicada, mas ter triunfado na categoria no ano anterior. É preciso derrubar essa medida protecionista e atrasada como critério de seleção.


8- O bis de Jeremy Renner

Não se afirma que Jeremy Renner não esteja bem em Atração perigosa. Além do fato dele não ser a melhor coisa do filme de Ben Affleck (a indicação solitária que ele deu ao filme insinua outra coisa), Renner só não faz o mesmo papel de Guerra ao terror (pelo qual foi nomeado ano passado), por que Affleck enquanto diretor soube manuseá-lo bem.
Havia candidatos a candidatos ao Oscar em melhor forma. Um desalento desnecessário no qual a academia incorreu.


7 – A ausência de Andrew Garfield entre os coadjuvantes

E quem poderia ocupar a vaga de Renner? Andrew Garfield é um bom exemplo. A atuação mais tridimensional e dosada de A rede social, no entanto, não lhe valeu a nomeação ao Oscar.



6 - Mais atenção para Atração perigosa

O que não quer dizer que o filme de Ben Affleck deveria passar em brancas nuvens.O excelente filme merecia atenção em categorias que nem sequer foi lembrado como roteiro adaptado, fotografia e trilha sonora.



5 - A ausência do documentário Waiting for superman

Mais surpreendente do que a inclusão da produção anglo-brasileira Lixo extraordinário entre os concorrentes a melhor documentário foi a ausência desse filme que era considerado o virtual vencedor da categoria. Sucesso de bilheteria (algo raro para o gênero) e com o endosso de ninguém menos que Barack Obama, o filme ficou fora da disputa. A crítica americana, como não poderia deixar de ser, já alinhou uma dúzia de teorias conspiratórias.



4 – E Julianne Moore?

É pacífico que Minhas mães e meu pai é o mais fraco entre os concorrentes a melhor filme. Mas se Mark Ruffalo e Annette Bening foram lembrados por seus desempenhos, porque excluir Julianne Moore, figura proeminente nesse vértice?



3 – Um estrangeiro entre os dez indicados a melhor filme

Pelo segundo ano consecutivo a academia perde a chance de colocar uma fita estrangeira na disputa principal. Bons filmes há. Falta é posicionamento estratégico. Seria uma ótima maneira de aumentar a audiência internacional da cerimônia e flertar com o interesse da imprensa internacional em escalas ainda maiores. Atores estrangeiros vêm dominando as categorias de atuação há alguns anos. Em uma categoria com dez indicados, não há mais necessidade para protecionismo.



2 – Michael Douglas entre os atores

É fato que a categoria de melhor ator é a mais disputada do Oscar já há alguns anos, mas nada justifica o esquecimento do melhor ator do ano. Com dois desempenhos notáveis, em O solteirão e no segundo Wall street, Douglas merecia uma lembrança – ainda que na categoria de coadjuvantes. Mais um vacilo da academia.



1 – A ausência de Christopher Nolan entre os diretores

Não tinha como outra mancada ser a número 1 não é mesmo? Se há algo que impressiona em A origem é a engenhosidade da mente de Nolan e efervescência com que ele dá vazão a ela na construção das cenas, no desenrolar da trama e no ajuntamento da baba do espectador no cinema em meio a isso tudo. Como A origem não está forte no Oscar e outras (não) indicações demonstram isso, não dá para dizer que a academia foi descriteriosa. Mas dá para dizer que foi uma mancada daquelas...



E cinco razões para aplaudir a academia
A inclusão de Javier Bardem, por um filme de língua não inglesa, entre os finalistas na disputa por melhor ator
A presença de cinco fitas independentes entre os concorrentes a melhor filme
John Hawkes entre os coadjuvantes
A lembrança de Another year na categoria de roteiro
O reconhecimento, ainda que tardio, ao cinema de Darren Aronofsky

9 comentários:

  1. Realmente, um vacilo enorme não ter Nolan indicado como Melhor Diretor, ele merecia este reconhecimento!

    ResponderExcluir
  2. Dos dez vacilos só não concordo tanto com Michael Douglas, um bom ator, mas não o achei brilhante nesse dois últimos filmes. Como você falou, a categoria está concorrida.

    Já Nolan é mesmo o absudo do ano. E as outras oito mancadas também são complicadas.

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Abutres e A Origem não foram injustiçados.

    ResponderExcluir
  4. Ah, agora eu quero saber mais sobre "Waiting for a Superman", estou totalmente por fora!

    Também acho que a ausência de Abutres e de Nolan entre os indicados foi de lascar.

    ps. Impagável o jeito q vc publicou sua mea culpa com os acertos da academia ;)

    ResponderExcluir
  5. Pois é Reinaldo, se formos fazer uma lista de todos as injustiças à la Oscar, teríamos que montar uma hexalogia e ou/ série mesmo de posts abordando o assunto.

    A Julianne Moore já esteve fora em muitas, recente podemos dizer: Ensaio Sobre a Cegueira.

    Abutres tem um ótimo enredo e brilho, poderia estar lá na disputa. Também não fui conferir este BIUTIFUL do Iñarritu.

    Quanto a Nolan é um absurdo!

    E concordo contigo quanto ao Andrew Garfield. Aliás, este ano os filmes com atuações mais densas são realmente: A Rede Social, Cisne Negro, O Vencedor e creio que O Discurso Do Rei.

    Mas a Rede Social é um filme que tem um "Q" a mais. O roteiro é coisa de doido. A rispidez dos diálogos e a velocidade das informações, assim os atores viajam em velocidade da luz. É sultil, brilhante e ainda subestimado e não superestimado como muitos dizem por aí.

    2010 teve realizadores, artistas e filmes brilhantes, cada um no seu quadrado. Foi tanta coisa boa que a Academia não teve espaço pra todos! (Se pararmos para pensar na resposta mais clichê que existe, rsrs).

    Abs.
    Rodrigo

    ResponderExcluir
  6. Realmente, a ausência de "Inception" em direção e montagem foi um pecado, assim como Andrew Garfield, que realmente foi o pior, para mim. rsrs.

    Beijos! ;)

    ResponderExcluir
  7. O que eu mais lamento é por Lee Smith e seu trabalho soberbo de montagem. Se aquilo não é uma boa edição, eu não sei o que é.

    abs!

    ResponderExcluir
  8. Perfeito Reinaldo.
    Além dos que eu já havia comentado em posts anteriores, tinha esquecido de ressaltar o fato da Academia esquecer os filmes estrangeiros na categoria principal. Ano passado por exemplo foi desastroso. A Fita Branca e O Segredo dos Seus Olhos não só mereciam indicações como tinham condições de vencer. Parece que os americanos estão se negando a reconhecer o avanço do cinema mundial.
    Quanto ao Oscar atual não vou falar dos estrangeiros porque ainda não vi nenhum dos indicados, mas Abutres é um filmaço. Os cinco têm que ser muito bons pra tirá-lo da briga.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Alan: Merecia mesmo. Mas ainda acho que vacilo maior foi excluí-lo dois anos atrás com Batman...
    abs

    Amanda: rsrs. Eu sei que Michael Douglas não te cativou em O solteirão. Achei, por exemplo, uma atuação superior a Javier Bardem e Jesse Eisenberg. Para ficar em dois dos escolhidos que eu e vc já conferimos... bjs

    Por que vc faz poema: Até posso concordar com vc quanto A origem, mas Abutres ter ficado de fora da categoria de filme estrangeiro em favor de Biutiful, por exemplo, é absurdo... abs

    Aline: Sempre com um olhar aguçado. Obrigado por isso! Pois é, coisas da academia... bjs

    Rodrigo: É dessas omissões que o Oscar fomenta as melhores discussões a seu respeito né Rodrigo.
    Quanto a Julianne Moore, não precisamos nem ir tão longe. E ano passado por Direito de amar? Participação pequena por participação pequena, ela estava melhor do que Penelope Cruz e Maggie Gyllenhaal...
    Bem, vc sabe que sou um entusiasta de A rede social e fui um dos primeiros a apontar para a verve do filme. Será um dos grandes no futuro... vc bem disse, ainda é subestimado. Apesar de parecer o contrário...
    Concordo com sua impressão sobre 2010 no cinema. O oscar está aí para abalizar isso...
    abs

    Mayara:Andrew Garfield (que tb está em Never let me go), talvez junto com Michael Douglas, tenha sido o melhor ator do ano... bjs

    Elton: Nem eu... abs

    Victor Batista: Vc está certo. Há uma resistência muito forte a reconhecer o mérito de produções estrangeiras.Repare que filmes como Central do Brasil, A vida é bela e O tigre e o dragão só brilharam em anos de produção muito fraca nos EUA. Não precisa ser assim. Com dez indicados a melhor filme, chega a ser um pecado...
    Ah, e sobre Abutres. O filme argentino é muito, mas muito superior do que pelo menos dois dos indicados: Biutiful e Fora da lei.
    Abs

    ResponderExcluir