quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Panorama - As torres gêmeas


Quando Oliver Stone anunciou que faria um filme sobre a queda do World Trade Center, todos esperavam um filme com alta carga polêmica e que cedesse a teorias conspiratórias (como em JFK - a pergunta que não quer calar e Nixon). Não foi o que aconteceu em As torres gêmeas (World Trade Center, EUA). No filme, Stone se esquiva da política e se concentra na homenagem a uma figura muito valorizada pelo americano após os atentados terroristas de 11 de setembro, o bombeiro. O filme acompanha o drama real de dois bombeiros que ficaram sob os escombros do edifício. Ao evitar a polêmica e ao prestar-se ao patriotismo com altas doses de sentimentalismo, Stone foi taxado de muitas coisas. A pior talvez tenha sido a de que era um cineasta já sem mais nada a dizer. Mas Stone tinha algo a dizer. Salientou que América tinha heróis de carne e osso e deveria se orgulhar deles. Um recado desses é sempre bem vindo (ainda mais pelo fato de ser verdadeiro). Ter sido emitido por um cineasta tido como encrenqueiro só engrandece o valor da mensagem. Ainda que o filme seja menor do que se esperava e menor dentro da filmografia do diretor, seu propósito é dos maiores.

5 comentários:

  1. Se inspirou mesmo em Oliver Stone, heim Reinaldo. hehe. Ainda não vi esse filme, acredita?

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Curto as torres gêmeas
    Já o vi duas vezes
    !!!

    ResponderExcluir
  3. Tinha me decepcionado com As Torres...mas depois percebi que não se tratava de ver uma super-produção como aquelas dos anos 70 'Inferno Na Torre' ou ' O Destino Do Poseidon' tampouco com o épico de James Cameron de 97 que afunda! Rs!

    Nas revisões do filme notei que fui estúpido e gostei da direção diferente de Stone. Aliás o assunto é dramático e sério demais para os americanos brincarem de DESASTER MOVIE.

    Abs.
    Rodrigo

    ResponderExcluir
  4. Quanto tempo naõ passo por aqui! xD

    e quanto tempo tbm não atualizo meu blog, mas são vários fatores que se juntaram e me impediram de prosseguir (momentaneamente) com o blog. Estou com texto pronto, mas o meu pc resolveu dar pau. Tá no conserto, enfim!

    Também não gosto de "As Torres Gêmeas", achei que o tom dado ao filme foi deveras equivocado. Ali, o patriotismo mergulhou em um sentimentalismo sem salvação e deu num filme que mais explora a dor de personagens reais e importantes do que qualquer outra coisa. Mas funciona como um exercício claustrofóbico - agora nao sei se isso é defeito ou virtude rs.

    Gosto de Oliver Stone, mas da época de "Platoon", porque nos ultimos anos, não fez muita coisa tão expressiva.


    abs, R.!

    ResponderExcluir
  5. Amanda: Não é que eu me inspirei no Oliver Stone Amanda, é que ele era o cineasta escolhido para a mostra Panorama do mês (que repercute a filmografia de cineastas) em virtude de ser dele o principal lançamento de cinema do mês. Enfim, solamente por causa disto.rsrs. Bjs

    Marcelo: É um bom filme msm. abs

    Rodrigo: Pois é, diria que vc saiu-se bem com a sua revisão. abs

    Elton: ... e quem é vivo sempre aparece mesmo. Saudades de te ver por aqui. Espero que seu computador fi que bom logo (!)rsrs, já é a segunda vez em tempos recentes que ela dá pau né?!
    É indiscutível que o Stone da época de Platoon era muito melhor. Bem, de qualquer maneira, ele fez com Wall street - o dinheiro nunca dorme seu melhor filme nos últimos dez anos. Abs

    ResponderExcluir