sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Panorama - Assassinos por natureza


Depois de alguns filmes de cunho político, era natural que Oliver Stone se voltasse para outro componente de profunda ressonância social. A mídia e seus motores socioeconômicos. Assassinos por natureza é um roteiro de Quentin Tarantino. Não há cineasta mais indicado para chancelar as loucuras de Tarantino do que Oliver Stone. Só que o filme de Stone não é só sobre a saga de dois lunáticos que cruzam a América fazendo um banho de sangue por onde passam, é uma dura crítica a sociedade do espetáculo e ao combustível sensacionalista que explode de seu seio. Em Assassinos por natureza tudo é histriônico. Desde os protagonistas, vividos com exagero e insanidade por Woody Harrelson e Juliette Lewis, até a ambientação. Passando pela linguagem e pela moral que emerge da fita. O jeito anárquico dos “heróis” do filme poderia servir de parâmetro para as convicções políticas de Stone. Mas seria impreciso fazer uma afirmação dessas. Seria tentar colar esse filme ao contexto político das bases da filmografia do cineasta americano. Ele não é político aqui. Pelo menos não em termos convencionais. O que Stone diz com seu Assassinos por natureza (mais seu do que de Tarantino) é que nós somos responsáveis por nossos monstros. E nem sempre os assassinos são os piores. Loucura? Sim. Esse é o ponto de partida dessa viagem sem volta. 

7 comentários:

  1. Eu estudei sobre este filme em Comunicação Comparada onde o Profº queria salientar o livro de Debord.

    Mas como ficaria na visão do Tarantino? Curiosamente eu queria ver esta história ( E Amor à Queima Roupa) com direção de Q.Tarantino.

    Tudo ficou tão "MTV" videoclíptico na visão do Stone que eu percebi, revendo várias vezes que abafou um pouco o texto. Mas é uma obra prima! Claro!

    Abraços
    Rodrigo

    ResponderExcluir
  2. Filmaço, um dos melhores do Oliver Stone. Foi esta obra, curiosamente, que inspirou o nome do meu blog! :)

    ResponderExcluir
  3. Ótimo filme e sua análise, melhor ainda!

    ResponderExcluir
  4. Assisti á esse filme á poucos dias e como sempre a sua visão é a melhor !
    Isso sim é filme de amor hahaha
    e J lewis é demais né?Vamos falar pra ela tirar aquela pena da cabeça, deixar a música de lado e voltar para o cinema !!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  5. Stone quando acerta, acerta na mosca. Com o auxílio luxuoso de Tarantino, então...

    ResponderExcluir
  6. Rodrigo: Esse é um ótimo material para aula de Comunicação comparada e também para jornlismo e opinião pública.
    Só um adendo: Amor à queima roupa tb tem roteiro de Tarantino, mas a direção é de Tony Scott. Abs

    Kamila: Legal sabe deste detalhe d ebastidores od Cinéfila por natureza. rsrs. Bjs

    Emmanuela: Obrigado por essa deferência. Beijos

    Laís:rsrs. obrigado Laís. É verdade. Eu me lembro de vc ter comentado que assistiu o filme recentemente. Juliete está no elenco de Coincidências do amor. Ela veio matar saudade do cinema... bjs

    Annastesia: E disse tudo... bjs

    ResponderExcluir
  7. Rodrigo, reli seu comentário e vi que comi bola. Não entendi direito a sua colocação quanto ao fato de que gostaria de ver Amor à queima roupa com a direção de Tarantino. Enfim, problem solved. I finally got it.rsrs.
    abs

    ResponderExcluir