domingo, 14 de fevereiro de 2010

OSCAR WATCH - A peleja dos diretores

Na montagem: James Cameron (Avatar), Lee Daniels (Preciosa), Kathryn Bigelow (Guerra ao terror), Quentin Tarantino (Bastardos inglórios) e Jason Reitman (Amor sem escalas)


O rei do mundo

James Cameron é egocêntrico e prepotente. Uma característica, na verdade, muito comum em Hollywood. A diferença é que ele não faz muita questão de esconder. Só que seus filmes rendem fábulas e o Oscar precisa de gente como ele. Portanto, doze anos depois de se auto declarar o rei do mundo, James Cameron volta ao centro do mundo do cinema.

Prós:
- Existem avanços técnicos inegáveis em seu filme, como um prêmio de conquista científico-tecnológica está fora de cogitação, um troféu por direção viria a calhar
- Seu filme é o maior sucesso de bilheteria da história
- Seria um momento antológico vê-lo declarar “Doze anos depois, continuo sendo o Rei do mundo”
- Hollywood gosta e vive de super produções. Avatar e todo o seu gigantismo consumiram seis anos e deixaram a cabeleira de Cameron toda branca. Isso pode ser preponderante.

Contras:
- É o único dos cinco que já venceu um Oscar por direção
- Apesar do esmero técnico e do perfeccionismo de Cameron nesse sentido, Avatar é um filme com alguns problemas narrativos e cujo trabalho de direção não se equilibra bem em todos os preceitos básicos do ofício. Não seria um prêmio justo, portanto. E todo mundo sabe disso.
- É vitima de muita inveja em Hollywood
- Se a academia quiser dividir os dois prêmios principais da noite entre o cinema comercial (Avatar) e o independente (Guerra ao terror), é mais provável (em virtude da razão acima citada) que Cameron perca aqui

Indicações anteriores: Melhor filme, melhor montagem e melhor diretor por Titanic em 1998
Vitórias anteriores: Melhor filme, melhor montagem e melhor diretor por Titanic em 1998

A dama de ferro


Kathryn Bigelow pode se tornar a primeira mulher a ganhar um Oscar de direção. O feito, obviamente, será eternizado e celebrado como mais uma conquista do pós-feminismo. Contudo, a diretora que já é uma veterana (tem 58 anos e já dirige há 25), não faz filmes de apelo feminino. Muito menos de apelo universal. Seu negócio é testosterona mesmo. São dela filmes como Caçadores de emoção (aquele que revelou Keanu Reeves e tinha Patrick Swayze como bad Guy) e K19 –the widowmaker.

Prós:
+ Com tantas boas diretoras circulando no cinema americano, já passou da hora de premiar uma. E todo mundo sabe disso.
+ É um dos melhores trabalhos de direção do ano, junto ao de Quentin Tarantino. E todo mundo sabe disso.
+ Ganhou o DGA no final de Janeiro. De todos os sindicatos, o DGA é o que tem melhor aproveitamento no Oscar
+ Existe um lobby forte para premiá-la
+ Se a academia quiser dividir os dois prêmios principais da noite entre o cinema comercial (Avatar) e o independente (Guerra ao terror), ela é a opção mais viável aqui. Pois o que conta para o povão é Avatar levar de melhor filme do ano

Contras:
- A academia pode se sentir obrigada a reconhecer em “grandes termos” Avatar. Tal como fizera, exageradamente, com Quem quer ser um milionário? ano passado
- Têm dois concorrentes muito fortes por filmes queridos pela classe artística, Lee Daniels (que também vêm de uma minoria, pode-se dizer) por Preciosa e Quentin Tarantino (que também tá recebendo um lobby danado, especialmente dos atores) por Bastardos inglórios. Mais do que ameaçá-la, eles podem lhe tirar votos, favorecendo o ex-marido de Bigelow

Primeira indicação

O underdog


Ele fez carreira como produtor de filmes independentes. Contudo, após ler o romance no qual Preciosa-uma história de esperança se baseia, resolveu, ele mesmo, dirigir a adaptação. O trabalho de Daniels debutou em Sundance e, desde então, só colheu bons frutos.

Prós:
+ Hollywood adora uma história de superação. Principalmente se envolve um filme que extrapola os limites da metalinguagem, como é o caso de Preciosa e como era o caso do vencedor do ano passado Quem quer ser um milionário?
+ Pode-se beneficiar do amor que a classe artística vem declarando ao filme
+ Lee Daniels é apenas o terceiro diretor negro indicado ao Oscar. Na disputa entre a mulher e o negro pela presidência dos EUA, o negro venceu. Yes we can?

Contras:
- É relativamente inexperiente e o filme, muito independente, ostenta seis indicações. Sua inclusão entre os diretores, tendo batido gente como Clint Eastwood, Rob Mashall, e Joel e Ethan Coen, em si, já constitui uma vitória
- É o único dos cinco que ainda não ganhou nada
- Seu filme não é o independente da vez. Esse posto pertence a Guerra ao terror. Então ele é duas vezes underdog nessa disputa

Primeira indicação

O hypado


Jason Reitman têm um futuro brilhante como cineasta. Seus Três filmes e toda a atenção que receberam da critica, do público e do Oscar mostram isso. O filho do diretor e ator Ivan Reitman superou papai no oficio. E já engatou, na casa dos 30 anos, sua segunda indicação ao Oscar. Ele pode não ter dirigido Avatar, mas seu futuro é azul.

Prós:
+ Seu filme é muito badalado pela critica
+ Sua forma de dirigir é clássica e facilita a identificação. Diretores com esse perfil tendem a ser reconhecidos pela academia. Exemplos recentes foram Clint Eastwood e Ron Howard.
+ É cria de Hollywood e isso significa muito em termos de empatia

Contras:
- Justamente pelo fato de que tem um futuro promissor deve prevalecer a percepção de que é melhor esperar para premiá-lo.
- Não ganhou nenhum prêmio por direção na temporada
- Como essa é sua segunda indicação ao Oscar em três anos, e ainda é bastante novo, a velha guarda da academia pode entender que isso já é reconhecimento demais
- Como também concorre por roteiro, e seu roteiro é ótimo, suas chances aqui diminuem. Na onda da pulverização de prêmios, pode-se preferir premiar aqui um diretor e não um diretor/roteirista
- Não é o melhor trabalho de direção do ano e todo mundo sabe disso

Indicações anteriores: Melhor diretor por Juno em 2008



O boa praça


Quem não gosta de Tarantino? Muita gente. Mas aqueles que gostam do excêntrico diretor estão em maior número. E em Bastardos inglórios ele realiza seu melhor trabalho como diretor. Equilibra as arestas de seu roteiro (genial, mas um tanto pernóstico), dirige os atores com sobriedade e desenvoltura e capricha nas referências. O diretor finalmente conteve o cinéfilo.

Prós:
+ Existe um lobby imenso pela vitória de Tarantino nessa categoria (ele já venceu por roteiro antes com Pulp Fiction)
+ É o melhor trabalho de direção dentre os cinco indicados e isso deve contar para alguma coisa
+ Pode-se beneficiar de uma divisão de votos entre James Cameron e Kathryn Bigelow

Contras:
- Costumava execrar o Oscar em premiações distintas desde Cannes até o Scream awards, isso não é facilmente deixado para trás
- O lobby por ele é grande, mas o pela vitória de Kathryn é maior
- O favoritismo na disputa por roteiro pode, mais uma vez, privar Tarantino de levar o Oscar de direção
Indicações anteriores: Melhor direção e melhor roteiro original por Pulp Fiction - tempos de violência em 1995
Vitórias anteriores: Melhor roteiro original por Pulp Fiction - tempos de violência em 1995

8 comentários:

  1. Adorei o texto!
    pois é, ainda que o Oscar devesse ir para o melhor, não se pode virar as costar para os prós e contras. Ainda assim, acho que Bigelow sairá vitoriosa. Ainda nao conferi "Guerra ao Terror", farei isso em breve, mas tudo indica que ela sairá com as estatuetas na mão.

    Bom, que vença o melhor!

    ABS!

    ResponderExcluir
  2. Valeu Elton. Tb acho que Kathryn se sagrará vencedora. De qualquer modo, será histórico. ABS

    ResponderExcluir
  3. Muito bom esse especial A Peleja...

    Torço para que Bigelow vença. Cameron já foi e ainda é o rei do mundo!! Tah na hora de achar uma rainha pra ele!!! hhahahahaaha

    Abração

    ResponderExcluir
  4. Concordo Eri. E acho que Kathryn ganha.Abs

    ResponderExcluir
  5. Minha torcida racional é pra Bigelow e emocional pra Tarantino. Não desmereço os esforços de Cameron, são válidos mas em termos de direção e melhor filme, o dele não deve ganhar. A grande vantagem é que quem é rei do mundo tem que exercer a majestade de forma mais vigorosa, logo 10 anos é um período muito grande para manter a arrogância do reinado dele. Não desmereço também seu egocentrismo, acho que ego é uma virtude em Hollywood, principalmente egos que põem "a mão na massa", não é a toa que ele é muito invejado.

    E viva a Rainha Bigelow!

    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. é isso msm madame. Como pode ser ver, o lobby por Tarantino e Bigelow não se limita a hollywood.rsrs
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Para mim, está entre Kathryn, Cameron e Tarantino. Apesar de torçer mais para a primeira. Gosto muito dos outros trabalhos e não vi ainda "Guerra ao Terror", mas já está na hora de uma mulher ganhar o careca. rsrs

    Beijos! ;)

    ResponderExcluir
  8. Pois é Ma. Torcida, torcida vai para os melhores trabalhos mesmo. O que para mim, nesses casos, são os de Tarantino e o de Kathryn. Beijos!

    ResponderExcluir