sábado, 2 de outubro de 2010

Cantinho do DVD

Alan Ball, mais conhecido atualmente por ser o criador do hit True blood, é um contumaz crítico da sociedade americana. Depois da consagração com o roteiro de Beleza americana e de uma bem sucedida parceria com a HBO (criou e produziu duas séries para o canal), Ball estreou como diretor em um drama chancelado pelo Alan Ball roteirista. Tabu é um pequeno filme, cujo valor de seu texto resplandece. Ball não é um grande diretor, mas isso não afeta o impacto que esse debute tem no público. Vale a pena conhecer este pequeno filme que aborda sexo e preconceito com a parcimônia de evitar o moralismo.

 
Ficha técnica:
Título original: Towelhead
Direção: Alan Ball
Roteiro: Alan Ball
Elenco: Summer Bishil, Aaron Eckhart, Maria Bello, Toni Collete, Matt Letscher e Peter Macdissi
Gênero: drama
Duração: 100 min
Estúdio: Califórnia
Status: disponível para locação em DVD



Crítica

Alan Ball é um cara que enxerga a dicotomia de ser americano. Ele escreveu o libelo de humor negro que relativizava o american way of life (Beleza americana) e ganhou um Oscar por isso. Para a HBO produziu duas séries que punham as idiossincrasias americanas no microscópio. Agora ele escreve e dirige (seu debute como diretor de cinema) um drama em que novamente mexe com tabus sociais. Tabu (Towelhead, EUA 2007) é um filme onde tanto a sexualidade quanto os preconceitos estão em ebulição. Também estão intrinsecamente relacionados.
Jazira (a talentosa Summer Bishil) é uma garota de 13 anos de ascendência libanesa que está descobrindo sua sexualidade. Seus pais, divorciados, estão pouco propensos a assisti-la durante essa fase. A mãe (Maria Bello), depressiva, se afunda em relacionamentos fugazes com homens que não necessariamente aprecia; o pai (Peter Macdissi), um conservador radical entende que sexualidade não deve ser discutida nessa fase. Jazira, então, submete-se ao interesse que percebe de seu vizinho (Aaron Eckhart), um reservista que espera para ser convocado para a guerra no Iraque (a primeira) a qualquer momento. A curiosidade da menina é de um fluxo assustador (o comentário de Ball aqui é sobre a incorreção dos métodos repressivos de educação). Paralelamente a isso, ela se envolve com um colega de classe, amizade que contraria o pai pelo fato do rapaz ser negro.
Em Tabu, Ball quer discutir como insinuações – por mais inocentes que sejam – podem eclodir em fatos irreversíveis. A hipocrisia também é um alvo. Todos os personagens de alguma maneira são hipócritas. Os únicos que escapam desse jugo (talvez porque não tenhamos tido a chance de conhecê-los melhor) são Milina (Toni Collete) e Gil (Matt Letscher) um casal simpático que acolhe Jazira em momentos de consternação.
Alan Ball evita qualquer ranço moralista e deixa que seus personagens falem por si mesmos. Tabu é um filme incomodo porque fala, em camadas de alto relevo, de coisas que não gostamos de repercutir em reuniões sociais. Como a visão retrógrada que guardamos quanto a educação de nossos filhos ou o preconceito que lançamos mão para definir um vizinho. Contudo, definitivamente, o que há de mais incomodo em Tabu é constatar que aos 13 anos uma menina pode, sim, ser um vulcão sexual em erupção. Mesmo que este vulcão tenha sido despertado de forma precoce e inadvertidamente. Alan Ball não veio nos prover respostas, mas nos fazer o tipo de perguntas que não queremos ouvir.

7 comentários:

  1. Gosto de Alan Ball desde "Beleza Americana" e estou me perguntando agora o porquê que ainda não assisti este filme. Vou tentar vê-lo em breve, ótimo texto Reinaldo.

    ResponderExcluir
  2. Não sou admiradora de "True Blood", mas "Beleza Americana" tem um belo trabalho do Ball. Se "Tabu" pegar o clima do filme de Sam Mendes, já está de bom tamanho.

    Beijos! ;)

    ResponderExcluir
  3. Alan: Valeu Alan. Assista, vc vai gostar! abs

    Mayara: Beleza americana é muito superior, mas Tabu não deixa de ser um filme interessante. Vale a conferida! Bjs

    ResponderExcluir
  4. Interessante, até por ser do Allan já era esperado um acerto. Vou procurar.

    ResponderExcluir
  5. Espero que goste Luis. É, de fato, muito bom. Abs

    ResponderExcluir
  6. Gostei mto do filme. Vários temas são abordados como: o despertar da sexualidade, pedofilia, pornografia e o acesso a ela pelos adolescentes, racismo e discriminação, falta de diálogo entre pais e filhos refletindo em inadequada educação. Bons atores, particularmente gostei do Aaron Eckhart, mas principalmente da Toni Collete e da protagonista que faz a Jazira. Consegue contar uma história com temas tão difíceis, porém de uma forma fluida (não conseguia tirar os olhos da tela) e muito interessante. Filme muito crítico ao levantar todos esses temas.

    ResponderExcluir
  7. Contém alguns spoilers.

    Lixo de filme. A garota age como uma piranha (transar com 2 homens numa mesma noite não é uma coisa que a mais vagabunda que conhecemos costuma fazer) e todos a tratam como uma coitadinha. Tirando o exagero da punição do seu pai quando descobre que a filha tá agindo como uma messalina (até compreensível diante de tamanha decepção), é o único que age com alguma sensatez, tentando salvar a dignidade da filha, mas de nada adianta pois a vagabundinha quer agir como tal, mas não quer que ninguém sabe.

    Ah... Faça-me o favor, né?

    ResponderExcluir